Número de sílabas (desde 11/2008)

counter

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

LAGOA

O mar se faz presente como um trovão sem chuva.
O céu se desenha e se desdesenha e se redesenha em nuvens leves e escuras
— mantos de deuses meninos
embalados pelos galos apressados e pelos cães sempre expeditos.
Um trovão eterno, sem descanso.
Um tom mais forte e depois outro ainda mais
cobrindo a lagoa que, plácida,
dormita como uma tia
que recebeu bem as visitas queridas em sua vastidão de casa.
Até as estrelas dormem,
até a lua dorme.
Não fosse o mar
a arengar com os cães e com os galos
com seus resmungos de assuntagem,
o mundo inteiro pareceria dormir essa noite.

02/01/10

2 comentários:

Eduarda disse...

Fernando,

Se...quase um Kipling.

bj

Gabiii disse...

precisava de um momento assim, pra fazer dormir algumas coisas aqui dentro de mim....