Número de sílabas (desde 11/2008)

counter

terça-feira, 1 de março de 2011

ABOIO DE LAMENTAÇÃO


É de minha natureza perder-me dos demais.
Precisando do bando, desgarrar-me;
ruminando, desaparecer-me.
É ser manada em mim
que me coletiva e me despedaça
em reses fragmentadas que pastam do mesmo mato,
que se esfolam da mesma faca,
que se convertem em sandálias e tamboretes
que calço e onde sento
a esperar o aboio de lamentação
cujo mote é o meu nome.

01/03/11

2 comentários:

Eduarda disse...

Fernando,

Um momento que me emocionou.

Falar assim do sertão e dos boiadeiros é falar de uma cultura, de passados ainda vivos.

bj

Fernando de Souza disse...

Fico feliz, poetisa. Apesar de, sendo a minha cultura, não sê-la, o sertão vive no meu imaginário na forma que têm os rostos de minha infância. O sertão e o mar são o meu berço.