Número de sílabas (desde 11/2008)

counter

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

DENTE DE LEITE

(Poeminha inspirado por http://bekxavier.blogspot.com/2010/09/liberdade-clandestina.html)
A memória é um dente de leite sobre o telhado,
lá jogado
pelo cadáver de quem somos.
Recordar é puxar novamente a cordinha,
é maltratar a gengiva,
é abrir e fechar a porta da geladeira,
é morder com força os nós dos dedos.
Recordar
é gemer por dentro e sangrar de mentirinha
sobre a toalha de mesa feiinha,
feiíssima,
sujando a camisa mal abotoada
em cujos bolsos jazem crus papéis desencontrados
(cédulas, notas fiscais, anotações do momento presente
que, como uma máquina de engrenagens,
engrimpa entravado por eles).
A memória é um latido
(porque todos os latidos do passado são iguais)
de um cão que afagamos
sobre os pelos de nossos antebraços.
A memória é a esquecida luz acesa
que nos viajou
e não nos trouxe de volta nunca mais.
A memória é o extravio da alma
quando não estávamos suficientemente atentos para viver,
pois que viver é existir, e existir é estar consciente,
e estar consciente é não lembrar.

27/09/10

3 comentários:

Rebeca Xavier disse...

tem um povo aí q diz q a memória é tão atemporal e a dor permanece a mesa e a alegria permanece a mesma, embora diferente e distante.

gostei mt =)

Carola disse...

Eu fico maravilhada com a tua sutileza Nandito.Palavras duras nas nuas mãos, entre teus dedos , se tornam doces dores ao ultrapassar o infinito de meus olhos e, de certa forma,boas saudades do que foi ruim e já passou.

Te admiro!Tenho por você verdadeira loucura!
Obrigada por trazer hoje ao meu peito uma partícula de qualquer coisa a ser sentida.

Beijos!

Eduarda disse...

fiquei queda perante a qualidade de dissecar a palavra levando-nos para um outro espaço, mas ao mesmo tempo tão real.

parabéns1

eduarda