Número de sílabas (desde 11/2008)

counter

quarta-feira, 30 de junho de 2010

SONETO À QUE É INCONTÍVEL

(a Lidiane Lima)

Não há guardar em que se guarde o amor.
Ele é vivo e largo mais que a vida,
Pois, quando chega, já é só partida,
Mas partir não vai, sem no viver se pôr.

Viver que se faz, no teu, a se compor:
Como o amor que se esvai da mão perdida
Que, por retê-lo, espasma, espavorida,
Sem ver que, em se perder, já é só amor.

Assim tu és, sólida evanescência,
Que vive o dar-se, mas não o se entregar,
E, em contraste, tocas e é intangível.

Porque em ti, o amor é o verdadeiro amar,
Pois não se pode ter o incontível,
Como, do amor, raptar a extrema essência.

01/05/06

Quando escrevi esse texto, eu tinha um projeto de elaborar um livro de sonetos em que cada um fosse dedicado a um dos meus melhores amigos. O projeto ainda existe, ainda que engavetado. Um dia, ele gritará em mim a sua conclusão.
Esse soneto, eu o fiz àquela de quem costumo dizer ser a única pessoa no mundo todo que sabe abraçar-me "direito". Porque quando ela o faz, não é com os braços, não é com o corpo nem com a amizade. É com a alma inteira, que a minha embraça e veste, e, por ela, é também vestida.
Nenhuma declaração de amor é o suficiente pra expressar essa identidade, esse olhar que é o meu dentro do meu, dentro do dela, essa compreensão, essa valorização.
Ela é uma flor que eu vi crescer e desabrochar, petalando-se e perfumando a si e, graças a Deus, aos que têm sensibilidade às flores (Deus sabe que há flores que não se dão).
Há muito, eu procurava um substantivo que pudesse descrevê-la como eu a via: um pulso de luz, uma intensidade intermitente, um iluminar e escurecer, um dia de sol e uma noite negra alternada, crescente e eternamente.
Parece que ela o achou antes de mim, e perfeitamente: Lampejos
Pulse, minha linda. Encandeie!

3 comentários:

Lampejos disse...

Se eu soubesse escrever, faria uma linda poesia pra ti, assim cheia de palavras que enchesse seus olhos de lágrimas, assim cheia de sons que tocassem sua alma, assim cheia do amor que carrego por ti, mas eu não sei escrever!Então, te ofereço uma frase gasta, mas que que possui em todas as suas letras o que uma poesia sempre quer dizer: amo você!

Rebeca Xavier disse...

e, expectadora: =~

Crisneive Silveira disse...

"Isso" foi escrito pra ser comentado?


Eu contemplo somente.